Passar para o conteúdo principal
Campo Obrigatório
31 de Maio 2022

Loja virtual ou marketplace? Prós e contras de cada solução

Artigo AICEP

Se a decisão de vender online pode ser fácil de tomar, até por ser quase inevitável no contexto atual, já a escolha entre loja virtual ou marketplace pode levantar muitas dúvidas. Cada uma das soluções tem vantagens e desvantagens e há vários fatores a ter em conta antes de decidir. 

Loja virtual: os prós e os contras

Optar entre loja virtual ou marketplace é uma decisão estratégica, que deve ser tomada tendo em consideração o perfil do seu negócio, os recursos disponíveis e as metas de crescimento traçadas. 

Principais vantagens de uma loja virtual

O facto de poder controlar todo o processo é uma das maiores vantagens das lojas virtuais próprias. Permite que possa definir preços e promoções e gerir toda a logística. Ou seja: a sua loja, as suas regras. E isto aplica-se também a questões relacionadas com o conteúdo, design do site e promoção da marca. 

Além disso, permite um relacionamento mais direto com os seus clientes, o que é importante para a fidelização e lealdade à marca. 

Como não tem intermediários nem tem de pagar comissões, pode ter maior margem de lucro e menos despesas, o que pode compensar o investimento inicial. 

Outra vantagem é que aquele espaço virtual é apenas seu e não tem de competir com a concorrência direta. 

As desvantagens

As lojas virtuais são criadas e geridas pelas empresas. O que significa, desde logo, investimento e disponibilidade de recursos. 

Para ter uma loja virtual, a empresa tem de investir na criação da plataforma onde vai expor e através da qual venderá os produtos ou serviços. Uma loja online deve ter em conta aspetos como os mercados de destino, segurança, facilidade de utilização, meios de pagamento e apoio ao cliente antes, durante e depois da compra.

Além da criação do site é necessário um investimento para gerar tráfego, isto é, para levar as pessoas até esse site. Ou seja, deve ser criada uma estratégia de marketing digital, não só para fazer este encaminhamento de forma eficaz, como para medir e analisar métricas (como número de visitas, país de origem dos visitantes, páginas mais vistas, produtos mais procurados, etc). 

Partindo do princípio que a loja virtual se insere numa estratégia de internacionalização, deve também considerar a questão dos idiomas. Aconselha-se, a este respeito, que o site tenha pelo menos uma versão em língua inglesa. 

Ao optar pela loja virtual terá igualmente de gerir as questões relacionadas com a logística, incluindo envios e devoluções. 

Todas estas necessidades exigem recursos humanos especializados e, claro, têm um custo. Por isso, o valor do investimento pode ser um obstáculo à criação de uma loja virtual. 

O universo limitado de clientes pode também ser um obstáculo. Uma loja virtual de uma marca pouco conhecida não consegue alcançar o mesmo número de pessoas que um marketplace. O que até pode ser vantajoso quando a empresa é de pequena dimensão e não está ainda preparada para dar uma resposta a nível global.

Os prós e os contras de um marketplace

Um marketplace é como um grande centro comercial, com diversas marcas e milhares de produtos. Embora existam vários tipos de marketplaces, os mais conhecidos, como a Amazon, o Alibaba ou o eBay, têm um alcance global.

Albergando milhares de marcas e produtos e chegando a milhões de consumidores em centenas de países, os grandes marketplaces representam, para as empresas presentes, uma grande oportunidade de crescimento.  

As vantagens de investir num marketplace

Esta capacidade de chegar a tantos consumidores e a visibilidade que esse alcance dá às empresas pode ser a vantagem mais óbvia destas plataformas. Mas não é a única.  

Ao aderir a um marketplace já terá grande parte da estrutura montada. Ou seja, a plataforma já existe e a divulgação da sua marca é feita pelo próprio marketplace. Assim, não tem de pensar ou investir em estratégias para gerar tráfego, porque este é, por natureza, elevado. A sua marca terá mais visibilidade também nos motores de busca, o que é bastante vantajoso em termos de prestígio e no aumento de interesse.

Os marketplaces também podem fornecer dados ou relatórios de tráfego que lhe permitam perceber quem são os seus clientes e o que pode fazer para os manter e alcançar novos.

Não terá de se preocupar com a segurança e problemas de manutenção da plataforma, já que essa é, também, uma responsabilidade dos próprios marketplaces. Alguns, como a Amazon, dispõem também de soluções logísticas que facilitam as entregas e devoluções. 

Se a sua marca é ainda pouco conhecida, a presença num marketplace dar-lhe-á a credibilidade necessária para se afirmar perante os consumidores. Esta credibilidade é ainda maior se tivermos em conta que muitas plataformas fazem uma seleção dos vendedores. Assim, se uma empresa está nesse marketplace, o consumidor vai sentir-se mais confiante quanto à qualidade do produto vendido.  

Desvantagens de um marketplace

O facto de ser uma estrutura global e de grande dimensão pode ser uma desvantagem para a sua empresa, já que terá menos controlo sobre a forma como os seus produtos são apresentados. A dependência em relação à plataforma é mais elevada e a autonomia para tomar decisões é, por isso, mais reduzida.

A comunicação e o relacionamento próximo com os seus clientes também são mais difíceis. Por outro lado, a concorrência vai ser maior e mais próxima, o que pode dificultar a sua afirmação. Um marketplace vende várias marcas e produtos e é provável que os seus concorrentes também lá estejam. 

Apesar de o investimento inicial ser menor do que aquele que terá na criação de uma loja virtual, aderir a um marketplace também tem custos. Pode ter de pagar uma mensalidade para ter acesso às funcionalidades mais importantes e as comissões por cada produto vendido podem chegar aos 35%. Isto significa que poderá ter de aumentar os preços e lidar com margens de lucro mais reduzidas.  

Assim, a opção entre loja virtual ou marketplace deve ser ponderada tendo em conta todas estas questões. Algumas empresas optam por ambas as soluções, mas essa é uma estratégia bastante mais complexa, que apenas deve ser adotada por empresas que já tenham uma experiência considerável no e-commerce

Se precisa de um apoio especializado para tomar esta decisão estratégica, pode contar com os serviços de consultoria disponíveis na MY AICEP. Registe-se na área de cliente e tome decisões bem informadas.

Veja também:

O que esperar da AICEP no apoio à exportação?

Conheça os maiores marketplaces do seu setor de atividade

E-commerce B2B e B2C: principais diferenças na abordagem logística

 

 

Notícias AICEP

12 empresas portuguesas presentes na Feira Playtime Paris

AICEP

A feira de moda infantil Playtime regressa ao Parc Floral em Paris de 2 a 4 de julho.

  • França
  • Moda

Participação portuguesa na feira de tecidos PRECO em Paris

AICEP

Nova edição da feira de tecidos PRECO realiza-se de 29 de junho a 1 de julho em Paris.

  • França
  • Multisetor

Exportar para os Estados Unidos: o que saber

AICEP

Conheça 7 recomendações para exportar para os Estados Unidos.

Partilhe esta página

Campo Obrigatório