Passar para o conteúdo principal
Campo Obrigatório
08 de Março 2022

Vender no Alibaba: regras e principais vantagens

AICEP

É um marketplace incontornável quando falamos do B2B: vender no Alibaba é uma oportunidade para atingir o mercado global, beneficiando da experiência de um dos gigantes do comércio eletrónico.

Se não conhece o Alibaba ou ainda tem dúvidas sobre o alcance desta plataforma, talvez os números possam ajudar: a empresa chinesa criada em 1999 vende para 240 países, tem mais de 2 milhões de vendedores online e 160 milhões de compradores, sendo a plataforma B2B com mais tráfego.

Se, no B2C, o domínio da Amazon é inquestionável, nos negócios online entre empresas é o Alibaba a ocupar esse lugar de montra global onde todos querem estar. A elevada visibilidade é apenas uma das vantagens deste marketplace, que liga fornecedores e compradores globais e que, por isso, pode ser uma excelente oportunidade para empresas exportadoras, independentemente da sua dimensão. 

O Alibaba assume como missão dar aos fornecedores as ferramentas necessárias para que os seus produtos alcancem uma audiência global, ajudando os compradores a encontrar o que precisam de uma forma rápida e eficaz.  

Porquê vender no Alibaba?

Este “win-win” para fornecedores e compradores é ainda mais importante quando falamos em empresas portuguesas que operam num mercado global e competitivo. A experiência e visibilidade do Alibaba são argumentos indiscutíveis e permitem alcançar um patamar que, de outra forma, levaria anos a atingir. Já para não referir os custos, que são bastante mais baixos do que, por exemplo, manter uma loja online própria ou participar em feiras para chegar a uma pequena parte desses mercados.

A gestão profissional feita por este marketplace permite, ainda, obter dados sobre potenciais clientes e principais concorrentes. Esta informação é fundamental para delinear ou alterar a estratégia comercial e de marketing. 

O facto de ser o marketplace B2B mais visitado do mundo é uma oportunidade, mas também um desafio. Para que a sua empresa se possa destacar da vasta concorrência, há que gerir de forma cuidadosa como se apresenta ao mundo nesta montra virtual. 

A descrição dos produtos é, nesta plataforma, de enorme importância, maximizando as pesquisas e, consequentemente, o interesse dos compradores. A possibilidade de adicionar vídeos na ficha do produto é uma mais-valia que deve aproveitar. 

Sendo o Alibaba uma plataforma global, mas em que a maior parte das pesquisas chegam de países onde se fala maioritariamente inglês (EUA, Reino Unido, Canadá e Austrália estão no top 6), um bom domínio deste idioma é essencial, facilitando os contactos com os potenciais clientes.

Um dos desafios de vender no Alibaba é, justamente, ter (ou criar) equipas dedicadas que ajudem a beneficiar desta visibilidade global. Se estas equipas puderem operar em diferentes fusos horários (dando assim uma rápida resposta ao interesse de potenciais clientes, mesmo que estejam noutro canto do mundo), os resultados podem ser ainda melhores. 

Tenha igualmente em atenção as especificidades de cada mercado. Estas questões podem ter a ver com a cultura, preferências ou até datas específicas, mas também com situações mais práticas, como as que estão relacionadas com métodos de pagamento. 

Ou seja, não basta ter os seus produtos à venda no Alibaba. É necessário determinar como vai gerir essa presença e garantir que o faz de uma forma profissional e contínua. Por isso, não deve cair no erro de criar a sua página sem lhe prestar, depois, a devida atenção.

Como funciona o Alibaba?

A plataforma serve, como vimos, fornecedores e compradores. O comprador pode fazer uma pesquisa por palavras-chave (e daí a importância da descrição) ou explorar categorias de produtos para encontrar o que lhe interessa. Por exemplo, vinho português.  

O comprador tem, então, duas opções. Pode fazer uma RFQ (cotação a fornecedores), pedindo, publicamente, que os fornecedores Gold Supplier lhe enviem propostas de orçamento. Outra alternativa é recorrer a Inquiries, ou seja, consultar, de forma individual, as empresas exportadoras para que apresentem condições e orçamentos.  

As RFQ geram mais oportunidades de negócio. Neste caso, é o Alibaba que faz uma seleção de propostas e as envia ao compradores, para que escolham.  

Ser um Gold Supplier (ou Fornecedor Gold) é, assim, mais vantajoso. Esta modalidade, que é uma espécie de assinatura Premium, permite beneficiar de ferramentas que aumentam a exposição e, consequentemente, as possibilidades de fechar negócios.

Tal como acontece, por exemplo, nas pesquisas do Google, a grande maioria dos compradores só vê as primeiras páginas. Um fornecedor Gold tem, assim, um melhor posicionamento, o que origina mais leads e mais contratos. Além disso, pode personalizar o perfil da empresa. Tem ainda acesso à Biz Trends, uma ferramenta de análise estatística que permite avaliar, em tempo real, o seu desempenho online, compreendendo melhor o comportamento dos compradores e potenciando os seus negócios. Pode, por exemplo, saber qual a palavra-chave que levou os clientes até à sua página ou ter acesso a dados dos últimos seis meses, o que permite também fazer comparações e tomar decisões mais informadas. 

O registo como Gold Supplier é simples, mas requer sempre verificação e aprovação por parte do Alibaba. Importa também sublinhar que este registo implica um custo para a sua empresa, que pode variar de acordo com os benefícios que escolher. 

Em termos operacionais, o primeiro passo é abrir uma conta gratuita; depois, deve selecionar um dos Pacotes de Gold Supplier, enviar a documentação que é pedida e aguardar pelo telefonema de verificação.

A oportunidade para o setor agroalimentar português 

Algumas empresas portuguesas beneficiam de um apoio extra no Alibaba. Em outubro de 2021, a AICEP e a AMVOS Digital criaram um agregador para produtos do setor agroalimentar

Nesta página comum no Alibaba, que é a nova loja online B2B do setor agroalimentar português, os compradores podem encontrar vinhos, azeite ou enchidos, mas também compotas, fruta fresca e congelada, temperos, cerveja, café, pastelaria, peixe congelado, conservas gourmet, sumos e vinagre.

O objetivo desta iniciativa, que possibilita uma gestão conjunta a nível comercial e de marketing, é reduzir significativamente os encargos financeiros das empresas, criando condições para melhorar o seu desempenho neste marketplace.  

O comércio online do setor agroalimentar deverá crescer cerca de 8% até 2024. No entanto, as empresas portuguesas desta área de negócio não têm ainda uma presença forte no e-commerce. Esta é, por isso, a altura ideal para que possam avançar, sob pena de perderem uma excelente oportunidade. 

Saiba, então, porque é que exportar através do e-commerce é uma oportunidade para a sua empresa e como usar este canal para chegar a novos mercados. Na área de cliente MY AICEP, terá acesso a informação detalhada sobre o marketplace Alibaba.com, nomeadamente informação sobre tráfego, custos e comissões, serviços oferecidos pela plataforma, métodos de pagamento, entre outros.

Veja também:

Tipos de marketplaces e as suas propostas de valor

E-commerce B2B e B2C: principais diferenças na abordagem logística

Vender fruta online para a Alemanha? É possível com estes marketplaces

Notícias AICEP

A AICEP opera em 55 mercados: conheça a nossa Rede Externa

AICEP

São 170 profissionais em 55 mercados. Conheça esta frente avançada de Portugal no Mundo!

Sustentabilidade: desafios e impacto no comércio internacional

AICEP

Debate sobre os desafios da sustentabilidade para as empresas de comércio internacional.

Exportações da EFAPEL crescem 25 por cento

AICEP

EFAPEL regista crescimento de 20 por cento no mercado Ibérico e 25 por cento nos restantes.

  • Eletrónica

Partilhe esta página

Campo Obrigatório