Passar para o conteúdo principal
Campo Obrigatório
07 de Julho 2022

Exportar para a China: oportunidades de um país em crescimento

Artigo AICEP

Embora este país seja frequentemente associado às importações, fazer o caminho inverso e exportar para a China pode significar a entrada das empresas portuguesas num mercado com um grande potencial. 

Os dados e números são elucidativos. É o país mais populoso do mundo e tem o segundo maior PIB mundial, em termos nominais. A China tem mais de mil milhões de habitantes e uma economia cada vez mais voltada para o consumo e serviços.

Com um consumo privado em tendência ascendente e uma inflação controlada, a China é um mercado prometedor, mas não isento de desafios.

Exportar para a China: as oportunidades para as empresas nacionais

Apesar de ser um país exportador, a China fez, em 2020, importações no valor de 2 056 mil milhões de dólares, sobressaindo produtos como Máquinas e Aparelhos (36,0% do total das importações), Combustíveis Minerais (13,0%), Minerais e Minérios (9,6%), Produtos Químicos (7,3%) e Produtos Agrícolas (6,6%). 

A balança comercial entre Portugal e a China é deficitária para o nosso país, uma tendência que tem crescido nos últimos anos. Entre 2016 e 2020 as exportações desceram em média 2,9% por ano e as importações cresceram 14,2%. 

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelam que a China foi o 15º cliente das exportações portuguesas de bens em 2020, representando 1,1% no total. Pastas Celulósicas e Papel (14,0% do total), Minerais e Minérios (12,9%), Produtos Agrícolas (12,4%), Metais Comuns (11,8%) e Máquinas e Aparelhos (11,4%) foram as principais categorias de produtos vendidas para o mercado chinês.

Da China para Portugal vieram sobretudo Máquinas e Aparelhos (42,9% do total), Matérias Têxteis (12,5%), Produtos Químicos (7,2%), Metais Comuns (7,1%) e Plásticos e Borracha (4,9%).

E-commerce, alimentação ou tecnologia: os caminhos para o mercado chinês

Atendendo às necessidades do mercado chinês e às características do tecido produtivo português, existem, sem dúvida, razões para que as empresas portuguesas possam olhar para a China como uma oportunidade. 

Entre as áreas com maior potencial de exportação estão setores como o agroalimentar, vinhos, inteligência artificial, soluções e equipamentos de tecnologia avançada, fileira casa, cuidados de saúde e life sciences, indústria de tecnologia verde e mobilidade elétrica, bens de luxo e serviços como construção e cooperação em mercados terceiros. 

Sendo a China o maior mercado de e-commerce do mundo, será interessante pensar nas vendas online como uma forma de chegar ao mercado chinês. Recorde-se que o Alibaba, o maior marketplace B2B a nível mundial, tem sede na China. Esta plataforma tem, desde outubro de 2021, um agregador para produtos do setor agroalimentar nacional, criado pela AICEP e AMVOS Digital.

Os desafios de exportar para a China

Para exportar para a China é fundamental conhecer o quadro regulamentar, nomeadamente as regras em vigor e a existência de acordos comerciais que possam minimizar os obstáculos que surgem ao negociar com um país extracomunitário.

Existe entre a União Europeia (UE) e a China um Acordo de Cooperação Comercial e Económica, de natureza não preferencial. Ou seja, não há lugar a isenções ou reduções das taxas dos direitos aduaneiros, vigorando, entre as duas partes, o tratamento da nação mais favorecida. O que significa, na prática, que nenhuma das partes discrimina os produtos vindos da outra.  

Ao exportar para a China há ainda a ter em conta algumas cautelas na abordagem ao mercado. A AICEP alerta para a importância de recorrer ao apoio de um despachante oficial, importador ou assessor jurídico, para que possa ter orientações sobre requisitos de bens, rotulagem e outras questões relacionadas com as transações comerciais e negócios. 

Onde encontrar informação?

No caso das exportações de produtos alimentares, o portal da Direção Geral de Alimentação e Veterinária é uma fonte de informação importante sobre procedimentos e requisitos nas exportações para este país asiático.  

Também no site Portugal Exporta, da AICEP, pode descobrir outros dados e fontes essenciais para que possa avaliar as oportunidades e desafios do mercado chinês. Ao registar-se na área de cliente MY AICEP poderá ter acesso a conteúdos especializados e a ferramentas úteis para o processo de internacionalização. Além disso, pode contar com o apoio da AICEP para analisar se a sua empresa tem os requisitos necessários para começar a exportar com sucesso para o mercado chinês.

Veja também:

Como traçar um plano de ação para a internacionalização?

A AICEP opera em 55 mercados: conheça a nossa rede externa

Quais os mercados com maior potencial de exportação?

Como funciona a MY AICEP?

 

 

Notícias AICEP

AICEP: 15 anos a fazer Crescer as Exportações

AICEP

A AICEP celebra 15 anos de atividade. Uma década e meia a mexer o ponteiro da economia nacional.

Inovação portuguesa conquista mercado da automação industrial

AICEP

Introsys é uma empresa portuguesa com projetos implementados em 16 países.

Amazon vai abrir loja online para a Bélgica

AICEP

Nova loja cria oportunidade para empresas portuguesas venderem online para o mercado belga.

  • Amazon

Partilhe esta página

Campo Obrigatório