Passar para o conteúdo principal
Campo Obrigatório
China: E-Commerce

descarregar PDF

 

A China é o maior mercado de e-commerce do mundo. A revolução digital surge na sequência do crescimento económico das últimas décadas e da consequente expansão da classe média e dos seus rendimentos. Existem outras razões para as empresas portuguesas exportarem para a China através do comércio eletrónico:

  • O país tem vindo a apostar no desenvolvimento do e-commerce, incluindo o que se refere ao comércio online transfronteiriço
  • Os chineses valorizam muito as marcas ocidentais
  • Alibaba é um grupo enorme no mundo do e-commerce (tem o portal Tmall para vendas ao consumidor)
  • O sistema de pagamentos digitais é desenvolvido
  • Os consumidores chineses e as próprias empresas utilizam intensamente as redes sociais (sendo WeChat a mais popular)
  • A infraestrutura logística de e-commerce chinesa é uma das mais avançadas do mundo
  • Os hábitos de consumo da população chinesa ligados aos festivais e feriados têm um enorme potencial de negócio

O e-commerce inclui a venda direta ao consumidor (B2C) e transações entre empresas (B2B). A China tem o maior mercado de comércio eletrónico B2B do mundo e perspetiva-se que possa aumentar significativamente nos próximos anos. O Grupo Alibaba apresenta-se como líder de mercado ao nível do B2B, com o portal internacional Alibaba.com mais focado nas empresas chinesas para a exportação e com o portal 1688.com para as empresas chinesas no mercado interno. Relativamente a outros marketplaces B2B na China são de referir, por exemplo, HC360.com, Baidu B2B, Comtech, Mysteel.cn, Made-in-China e Global Sources China. Porém, a análise efetuada recai apenas na vertente B2C dada a sua maior relevância junto do consumidor final.

(05/2024)

 

 

Posicionamento do país no e-commerce global

Prevê-se que em 2028 as compras de e-commerce na China atinjam cerca de 2 267 mil milhões de USD, o que representa um crescimento médio anual de 11,3% desde 2024. Este ritmo de crescimento é superior à média mundial (10,8%) e da Ásia (11,2%), sendo significativa a evolução que o comércio eletrónico continua a registar neste país. Esta evolução global encerra, porém, dinâmicas próprias em termos setoriais.

(05/2024)

TOP PAÍSES
TOP PAÍSES
Posição Mercado Compras e-commerce (milhões de USD)
1 China 1.262.000
2 Estados Unidos América 1.082.000
3 Japão 156.400
4 Reino Unido 121.300
5 Alemanha 92.170

Fonte(s): Statista, abril 2024. Dados referentes a 2023

Maturidade digital

De acordo com o Enabling Digitalization Index, as duas componentes mais fortes da China correspondem à dimensão do mercado (100/100) e ao ambiente de negócios (84/100), enquanto a conectividade (34/100) constitui o aspeto mais fraco. A taxa de penetração da Internet supera em 3,3 pp a média mundial e a dos smartphones em 2,6 pp. Espera-se que, em 2028, estas atinjam 98,0% e, 90,4%, respetivamente.

(05/2024)

  • 4 / 115

    Digitalização

    Fonte(s): Resilience Digital 2021. Dados referentes ao final de 2019
  • 1134 milhões

    Utilizadores de internet

    Fonte(s): Statista Digital Market Outlook, 2023
  • 79,1 %

    Taxa de penetração de internet

    Fonte(s): Statista Digital Market Outlook, 2023
  • 57,9 %

    Taxa de penetração de smartphones

    Fonte(s): Statista Digital Market Outlook, 2023

Conheça a maturidade digital, as estatísticas de compras online e o perfil do consumidor em e-commerce neste mercado.

Logística e Distribuição

As infraestruturas e os serviços de logística caracterizam-se por/pela:

  • Serem abrangentes, eficientes e dos mais desenvolvidos a nível mundial, no plano do e-commerce (em consequência dos elevados graus de digitalização, população e volume de encomendas registados)
  • Um elevado nível de automatização, para o qual contribuem, designadamente, a tecnologia 5G e os armazéns inteligentes de grande dimensão
  • Oferecerem múltiplas opções de entrega, refletindo-se em preços competitivos
  • Uma rede postal rápida e altamente conectada
  • Terem entre os principais operadores logísticos a SF Express, EMS, Own delivery service, Yuantong Express e Black Cat TA-Q-BIN
  • Existência das designadas “empresas de entrega urgente”, elemento-chave no setor de e-commerce da China, que constitui, adicionalmente, o maior mercado de entrega urgente a nível mundial
  • Existência de um “sistema de logística inversa”, o qual opera de forma rápida e possibilita devoluções de produtos que acarretam reduzidos custos para o cliente

(05/2024)

 

 

  • 19 / 139

    Desempenho Logístico Internacional

    Fonte(s): World Bank, 2023. Dados referentes a 2022
  • 10 / 172

    Desenvolvimento Postal

    Fonte(s): Universal Postal Union, 2023. Dados referentes a 2022

Conheça a logística das compras online, principais marketplaces e meios de pagamento neste mercado.

Quadro Legal e Regulamentar
INTRODUÇÃO

O comércio internacional online B2C acarreta algumas dificuldades extra, para além das já complexas regras do comércio internacional que se aplicam/usam em qualquer negócio B2B (INCOTERMS, formalidades alfandegárias, regulamentação dos produtos, etc.).

Devido ao relacionamento direto com o consumidor final, é aconselhável conhecer as regras (caso existam) que protegem o consumidor e regulam as vendas à distância do mercado de destino (algumas podem ter natureza imperativa como, por exemplo, as relativas à privacidade e proteção de dados).

(09/2023)

E-COMMERCE NA CHINA

Quem vende à distância B2C para um país terceiro ou crie uma loja online nesse mesmo mercado deve acautelar-se e procurar conhecer o respetivo enquadramento legal.

A nível nacional, e de acordo com o Global Cyberlaw Tracker da UNCTAD, o comércio eletrónico na China encontra-se devidamente regulado ao nível da proteção do consumidorcibercrimetransações eletrónicasprivacidade e proteção de dados.

(09/2023)

NORMAS E-COMMERCE

Na China as matérias relacionadas com o comércio eletrónico estão reguladas em vários diplomas legais, por exemplo, Lei do Comércio Eletrónico, a quarta alteração à Lei de Patentes, a Lei de Cibersegurança e a Lei da Proteção da Informação Pessoal.

A implementação de uma Loja Online na China obriga, desde logo, à semelhança da vertente física, ao cumprimento de certas obrigações de índole societário e administrativo, assim como em termos da própria plataforma de vendas online, devendo ser assegurado o cumprimento de um conjunto de obrigações, como a disponibilização aos clientes de informações sobre a entidade vendedora, política comercial e produtos.

Do quadro legal em vigor resultam, igualmente, responsabilidades acrescidas para todos os participantes na cadeia de abastecimento CBEC (incluem-se os vendedores estrangeiros, os operadores de plataformas digitas e os prestadores de serviços logísticos). São considerados operadores de comércio eletrónico todas as pessoas singulares e coletivas que se dedicam ao comércio de mercadorias e/ou à prestação de serviços na Internet ou noutras redes de comunicação.

Fontes de informação disponíveis na Internet:

(09/2023)

ENTIDADES RESPONSÁVEIS

Existe uma variedade de entidades públicas com competências na área da regulação do setor do comércio eletrónico, proteção do consumidor e dados digitais, assim como da segurança cibernética, de que se destacam o Ministry of Commerce, o Ministry of Industry and Information Technology, a General Administration of Customs, a National Development and Reform Commission, a State Administration for Market Regulation, a China National Intellectual Property Administration, o Ministry of Public Security, e a Cyberspace Administration of China.

A entidade responsável pela administração/registo do domínio “.cn“ é o China Internet Network Information Centre).

(09/2023)

IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS ONLINE

Tal como acontece no comércio offline, é o mercado de destino que estabelece as formalidades e os direitos aduaneiros ou outros impostos/taxas aplicadas à importação do produto.

No que se refere à China, é possível obter essa informação no site Access2Markets (A2M), selecionando o produto a exportar (VIDEO). 

Nos procedimentos e formalidades, para além da documentação exigida para a importação do produto, é ainda disponibilizada informação sobre as regras chinesas de rotulagem/embalagem e o sistema de qualidade aplicado nos produtos industriais (normas técnicas ou standards).

Podem, no entanto, existir algumas especificidades, nomeadamente no comércio B2C/envios expresso, que não são referidas no A2M. Com efeito, nos envios expresso (express shipments), muito utilizados no comércio B2C, não são cobrados direitos aduaneiros quando o valor total da declaração aduaneira não for superior a 50 RMB/CNY por transação (Alvalara).

Na China são aplicados IVA e IEC, cobrados a 70% da taxa padrão aplicável ao tipo de mercadoria.

Os fornecedores online não-residentes que vendam mercadorias para consumidores finais na China (incluindo nas vendas online), necessitarão de nomear um agente alfandegário ou corretor chinês para lidar com o IVA devido na importação.

(09/2023)

PROPRIEDADE INDUSTRIAL (MARCA, PATENTE E DESIGN)

O registo efetuado em Portugal apenas produz efeitos em território nacional.

É possível alargar a proteção legal a outros países através de registo internacional (procedimentos: marcaspatentesdesign) ou efetuar o registo diretamente no mercado pretendido, junto do organismo responsável pela proteção da propriedade industrial, que no caso da China é a China National Intellectual Property Administration (CNIPA).

(09/2023)

Recomendações para Exportar Online
  • É fundamental a adaptação do negócio eletrónico para a língua do país
  • Oferecer suporte ao cliente via e-mail
  • Disponibilizar contactos via telefone e por chat
  • Garantir rapidez nas entregas e uma gestão eficiente das devoluções
  • A China criou o seu próprio universo digital. Existindo oportunidades ao nível do comércio eletrónico é necessário obter previamente um conhecimento adequado das várias especificidades
  • Há que ter em conta que se trata de um mercado muito competitivo, que valoriza a imagem de marca
  • Para a abertura de uma loja numa das principais plataformas de comércio eletrónico da China, um aspeto fundamental refere-se à necessidade de existir um investimento em promoção adequado e com continuidade. O custo associado à publicidade tende a ser expressivo e o retorno a não ser imediato
  • Estar alinhado com as formas de pagamento locais
  • Deter capacidade financeira robusta, com vista à inserção no mercado
  • Assegurar que os custos a suportar pelo cliente, inerentes aos serviços de logística, são baixos
  • Assegurar um sistema de logística integrado (abrangendo distribuição e inventário), permitindo o acompanhamento do processo de distribuição de encomendas por parte dos clientes
  • Promover o recurso a modalidades de last mile delivery – a qual permite ao consumidor definir o local e o momento da entrega – e click-and-collect, que possibilita o levantamento em loja

(05/2024)

 

 

 

Aceda a informação detalhada sobre este mercado

Inicie sessão ou registe-se na MY AICEP para conhecer o país em profundidade e descobrir as oportunidades de negócio que este oferece para o seu setor.

Campo Obrigatório