Passar para o conteúdo principal

Como Vender Em - Holanda - Lisboa

Holanda
  • Ação paga
  • Multisetor
  • Lisboa
  • 09 de Dezembro 2019 a 10 de Dezembro 2019

Na sequência das novas oportunidades de negócios proporcionadas pelo mercado holandês, mesmo num contexto de grande competitividade e exigência e visando incrementar o comércio e o investimento bilaterais entre Portugal e a Holanda, convidamo-lo a participar nesta ação concebida à medida dos seus interesses que pretende responder a questões específicas colocadas pelas empresas nas suas Fichas de Inscrição e prestar aconselhamento personalizado sobre como vender na Holanda, numa perspetiva de primeira abordagem, de qualificar e desenvolver o seu negócio ou de investir neste mercado que tem registado um crescente interesse a nível empresarial.

Para o efeito, são agendadas reuniões individuais de 60 minutos com o Responsável pelo Ponto de Rede da AICEP em Haia, Miguel Porfírio que se desloca propositadamente a Portugal.

Aproveite esta oportunidade de enriquecer os seus conhecimentos, esclarecer as suas dúvidas e obter o aconselhamento de que precisa para fazer crescer o seu negócio de uma forma sustentável e segura num mercado de enorme potencial e localização geográfica privilegiada.

 

 

Porquê a Holanda?

 ▪  Tem uma situação geográfica estratégica, sendo um centro de comércio internacional (importante hub de distribuição) e uma plataforma logística de acesso a outros mercados. É uma placa giratória do comércio europeu e um centro de distribuição das importações e dos investimentos provenientes, designadamente, da Ásia e dos EUA.

 ▪  No território holandês encontram-se os 1.º e 5.º maiores portos marítimos europeus, Roterdão e Amesterdão, respetivamente, que funcionam como entreposto no comércio global. O aeroporto de Schipol está também entre os maiores da Europa, com mais de 50 milhões de passageiros por ano. Adicionalmente, os Países Baixos dispõem de uma extensa e moderna rede viária, ferroviária e fluvial, que permite aceder a cerca de 160 milhões de consumidores europeus em menos de 24 horas. A Holanda é também o principal fornecedor de serviços de frete marítimo da Europa, face à relevância do setor exportador na economia holandesa.

 ▪  É uma economia sólida, competitiva, desenvolvida e sofisticada, muito centrada nos serviços (representam cerca de 70% do PIB e empregam 80% da população ativa) e aberta ao exterior. Tem uma classe média / alta de consumidores com elevado poder de compra, tendendo a aumentar o segmento de uma procura mais exigente e sofisticada de produtos que combinem um mix de qualidade, inovação, marketing, preço e design, estando comprovada a competitividade da oferta portuguesa em termos de custo e qualidade de produção, sobretudo em determinados setores/fileiras com grande procura holandesa: Calçado, Vestuário, Alimentares e Vinhos.

 ▪  Ocupa a 6ª posição no ranking das economias da União Europeia, estimando-se um crescimento a um ritmo de 1,7%, em 2019 (um pouco superior à média da UE) e que se mantenha a tendência de crescimento no próximo ano (EIU – Economist Intelligence Unit), abrindo às empresas portuguesas novas oportunidades de negócio. A Holanda foi o 7.º maior importador mundial de bens e o 5.º de serviços, prevendo-se que a tendência de crescimento se mantenha em 2019 e 2020.

 ▪  Com a sua preponderância na cadeia logística europeia e mundial, o que se reflete na competitividade do mercado, a Holanda é também e tradicionalmente, um dos mais importantes parceiros económicos de Portugal em termos de comércio externo (foi o 7.º cliente de bens, em 2018, com uma quota de 3,8% do total. O interesse deste mercado é corroborado pelo crescente número de empresas nacionais a operarem na Holanda (mais de 3.600), procurando uma alternativa válida à expedição para outros mercados comunitários. No período 2014-2018 o crescimento médio anual das nossas expedições para este mercado foi de 4,1%.

 ▪  Um dos países com melhor qualidade de vida da Europa e um ambiente de negócios muito favorável: 8.º lugar no ranking global (82 mercados – EIU); 6.º em 140 no rácio competitividade (WEF – Global Competitiveness Index 2018); 36.º em 190 no indicador facilidade de fazer negócios (WB – Doing Business 2019) e 8.º em 180 no parâmetro da transparência (IT – Corruption Perception Index 2018), pertencendo ao grupo dos melhores pagadores (European Payment Report 2018), e de menor risco económico (EIU).

 ▪  Os Países Baixos ocuparam a 8ª posição como recetor mundial de fluxos de investimento direto estrangeiro e o 4.º lugar como emissor. As principais empresas nacionais cotadas na bolsa já apostaram na Holanda pois o mercado também oferece um regime fiscal e societário muito aliciante.

 ▪  Apesar do crescimento das nossas vendas neste mercado nos últimos anos e da colaboração bilateral bem-sucedida em várias áreas, constata-se que existem ainda, muitas oportunidades de cooperação interempresarial por explorar e é grande o potencial de negócios por aproveitar havendo portanto, espaço para crescer e consolidar quotas.

 ▪  Pelo potencial de crescimento do seu consumo interno e pela complementaridade com a oferta portuguesa mais qualificada e diferenciadora, sobretudo em alguns setores da fileira moda e agroalimentares, a Holanda é um parceiro incontornável, desde que os produtos e serviços da oferta nacional apresentem fatores de diferenciação e apostem na inovação, com destaque para as áreas do Vestuário, Calçado, Alimentar e Vinhos, de acordo com o comportamento da procura holandesa.

Normas e condições

Inscrições até 11 de outubro

Campo Obrigatório