Passar para o conteúdo principal

Como Vender Em: Chile

Chile
  • Ação paga
  • Lisboa
  • 25 de Novembro 2019 a 26 de Novembro 2019

Para explicar às empresas como exportar para o Chile e assim incrementar o comércio e o investimento bilaterais entre Portugal e o Chile, a AICEP organiza o Como Vender Em: Chile, nos dias 25 e 26 de novembro em Lisboa.

O Como Vender em no Chile consiste em reuniões individuais de consultoria de mercado (1 hora) com o Responsável da AICEP em Santiago, Luís Sequeira, que se desloca propositadamente a Portugal para prestar aconselhamento personalizado sobre como exportar para o Chile e vender no mercado chileno.

Durante a reunião, a AICEP responde às questões específicas colocadas previamente pela empresa na sua Ficha de Inscrição e apresenta novas oportunidades de negócio que o Chile oferece, indicadas para o perfil da empresa.

Por ser concebida à medida das necessidades da empresa, a consultoria Como Vender Em é indicada para empresas que planeiam fazer uma primeira abordagem ao mercado do Chile, mas também para empresas que queiram aprofundar os seus negócios ou até mesmo investir neste mercado.

O Chile tem registado um crescente interesse por parte das empresas portuguesas. Agende a sua reunião até dia 30 de setembro e obtenha o aconselhamento de que precisa para fazer crescer o seu negócio com o Chile.

 

Porquê exportar para o Chile ou investir neste mercado da América Latina?

O Chile distingue-se por ser um dos países mais estáveis da América Latina em termos sociais e políticos, pela prosperidade da sua economia e por liderar os principais indicadores de desenvolvimento humano e qualidade de vida na região.

Com 18 milhões de habitantes, o Chile apresenta o PIB per capita mais elevado entre os seus pares latino-americanos e o mais próximo da média europeia. O país mantém, há mais de duas décadas, o título de economia mais competitiva da América Latina, de acordo com o Global Competitiveness Index do Fórum Económico Mundial, assumindo uma posição de destaque como recetor de investimento estrangeiro e um papel de potência económica regional em determinados sectores chave.

O Chile é uma plataforma privilegiada de acesso a um mercado potencial de mais de 4.300 milhões de consumidores, pois detém a maior rede mundial de Acordos de Livre Comércio. O Chile tem em vigor 28 Tratados de Livre Comércio com 64 países, que representam 63% da população mundial e 86% do PIB global. A elevada estabilidade macroeconómica e regulatória do país, permite explorar oportunidades de negócio enquanto “mercado plataforma” para as economias da Aliança do Pacífico, do Mercosul, para a Austrália, China, Japão e Coreia do Sul. 

O mercado de consumo interno no Chile é dinâmico e crescentemente sofisticado, com apetência por produtos e serviços associados ao lifestyle europeu, o que representa oportunidades de negócio interessantes para empresas portuguesas dos setores Casa, Calçado, Moda e Agroalimentar. 

O “Plano Nacional de Infra-estuturas 2018-2023”, lançado com o objetivo de aproximar o Chile dos restantes países membro da OCDE, prevê um investimento global superior a 14 mil milhões de dólares em rodovias, portos, aeroportos, hospitais e escolas.

O mercado chileno é ideal para a implantação de energias limpas, pela geografia do país e ambiente de regulatório. O Chile está na vanguarda da luta contra as alterações climáticas, tendo em curso projectos para diversificar a matriz energética, reduzir as emissões de gases poluentes, preservar a qualidade dos recursos hídricos e implementar uma rede nacional de mobilidade elétrica.

O Chile possui um ecossistema de empreendedorismo internacionalmente reconhecido. O Global Entrepreneurship Index (2018) do Global Entrepreneurship Development Institute colocou o Chile no 1º lugar da América Latina e 19º a nível global. O StartUp Chile é um dos programas de aceleração de startups de maior êxito a nível global.
 

Nos últimos anos, o governo do Chile tem apostado numa nova agenda de competitividade, promovendo uma economia mais diversificada e produtiva, ao mesmo tempo que reduz a histórica dependência da exportação do cobre. Esta agenda, transversal em termos sectoriais, abre inúmeras novas oportunidades para as PME portuguesas no Chile, particularmente as vinculadas com os processos de transformação digital da economia.

O Chile é o 2º mercado das exportações portuguesas na América do Sul e, em 2018, as vendas portuguesas para o Chile subiram 15%, superando os 140 Milhões de Euros. Nos últimos anos é de assinalar, para além do crescimento consistente das exportações de Portugal para o Chile, a sua cada vez maior diversificação, em termos setoriais. 

Normas e condições

Inscrições até 30 setembro

Campo Obrigatório