Passar para o conteúdo principal
Campo Obrigatório
24 de Janeiro 2020

Brexit - Investimento em startups britânicas atinge nível recorde em 2019

AICEP

Reino Unido

Em 2019, o Reino Unido apresentou o maior investimento em startups tecnológicas no mundo, ultrapassando os Estados Unidos da América e a China, onde o investimento caiu 20 por cento e 65 por cento, respetivamente.

Este investimento atingiu £10.1 mil milhões e traduziu-se num crescimento de 44 por cento face ao ano de 2018, superando o recorde registado em 2017. Segundo dados das consultoras Tech Nation e da Dealroom, o Reino Unido angariou um terço dos £30.4 mil milhões investidos na União Europeia

O constante crescimento anual do investimento associado ao boom visto em 2019, eleva Londres ao mesmo patamar de cidades como São Francisco, Pequim e Nova Iorque. Dentro da União Europeia, é em Londres que encontramos o maior número de programas de aceleração de startups e de sedes de unicórnios (empresas avaliadas em mais de $1 mil milhão).

Em 2019, as empresas Sumup, Checkout, Ovo Energy, Babylon Health e Trainline, entre outras, tornaram-se unicórnios, aumentando o número para 77 só na capital londrina. Também neste ano, aconteceu a maior ronda de investimento na qual a empresa Greensill recebeu £800 milhões da japonesa Softbank, acompanhada por outras grandes rondas levantadas pela  Deliveroo, Oaknorth e CRM Surgical.

Os setores com melhor performance na área tecnológica foram as empresas de fintech, inteligência artificial e de energias renováveis, embora as primeiras continuem como as estrelas tecnológicas do Reino Unido, duplicando em 2019 os seus resultados anuais para $5.4 mil milhões face ao ano anterior.

Por falar em fintechs no Reino Unido, a investidora americana Technology Crossover Ventures (TCV), que já financiou empresas como o Spotify, Airbnb, Netflix e a plataforma inglesa de transferência World Remit, fez uma avaliação da Revolut no valor de $5 mil milhões (£3,85 mil milhões) antes da sua nova ronda de financiamento, abaixo dos $7/8 mil milhões que o CEO, Nik Storonsky, pretendia, de acordo com a Sky News.

Campo Obrigatório